Av. Bias Fortes, 247 - Lourdes - Belo Horizonte - MG - PLANTÃO 24h - Tel.: 31 3292.7172
Blog—Endocardite Bacteriana Doença Bucal Pode Evoluir Para Cardiopatia

Endocardite bacteriana: doença bucal pode evoluir para cardiopatia

As doenças bucais afetam a boca e estruturas faciais, mas, em raras situações, também provocam doenças complexas em outros órgãos, como a endocardite bacteriana.

A endocardite bacteriana ou infecciosa é uma doença bucal  grave, causada por microorganismos que invadem a corrente sanguínea e provocam inflamação em áreas sensíveis do endocárdio, membrana revestindo a parede interna do coração e, nas válvulas cardíacas.

A inflamação pode evoluir para a destruição dos tecidos da região e, quando não tratada, provoca a insuficiência cardíaca, embolia pulmonar e insuficiência renal aguda, complicações graves e muitas vezes fatais.

O surgimento da endocardite infecciosa está sempre associado à presença de bactérias que o sistema imunológico não conseguiu combater. A adequada prática de hábitos de saúde bucal é importante para evitar essas situações.

A boca possui, naturalmente, uma concentração de bactérias nos dentes, língua e, na própria mucosa, sendo que o aumento descontrolado da população de microorganismos, em especial o estreptococos viridans e, sua consequente entrada no sangue, por uma lesão como a cárie, causa enfermidade em indivíduos pré-dispostos.

Causas

A capacidade dos microrganismos de causar danos a um organismo saudável não é alta, mas o cenário muda, quando a bactéria se aloja na corrente sanguínea de pessoas com problemas cardíacos congênitos, histórico de doença  reumática e portadores de próteses cardíacas.

Os estudos do professor titular do Departamento de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial e Periodontia da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (USP), Valdemar Mallet da Rocha Barros, apontaram que um a cada 8 casos de endocardite infecciosa surge da manipulação odontológica de pessoas com pré-disposição.

Sintomas

Os sinais são similares aos de várias doenças e podem se manifestar de uma semana a dez meses, após a infecção.

Conheça os principais sintomas:

  • Aparecimento de sopro cardíaco novo ou alteração no som de um sopro já instalado
  • Febre alta, calafrios e suores noturnos indicam a presença da bactéria na corrente sanguínea
  • Inchaço nos pés, pernas e abdôme
  • Fadiga intensa
  • Dor nos músculos, articulações e peito
  • Perda de peso e apetite
  • Áreas de sangramento não dolorosas nas palmas das mãos e nas plantas dos pés (lesões de Janeway)

Diagnóstico

A identificação do problema  é baseada no exame físico, análise do histórico de saúde, hemocultura, ecocardiograma, assim como solicitação de  tomografia computadorizada e ressonância magnética.

Tratamento

O tratamento foca em evitar as irreversíveis lesões nas válvulas cardíacas, sendo executado em ambiente hospitalar e iniciado tão logo se identifique a suspeita da infecção.

Prevenção

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta as doenças cardiovasculares como a principal causa de morte. Em 2015, o total de óbitos envolvendo enfermidades, como o acidente vascular cerebral (AVC) e a endocardite, chegou a 17,7 milhões.

Assim, para proteger o coração, comece cuidando da saúde bucal

A recomendação para evitar o surgimento de doenças graves como a endocardite bacteriana é cuidar da  saúde bucal, escovando adequadamente os dentes após as refeições,  uso regular do fio dental e o check-up odontológico a cada seis meses.

O tratamento odontológico seguro requer uma consulta inicial para relatar o histórico de saúde ao cirurgião-dentista. A existência de problemas cardíacos anteriores ao tratamento, por exemplo, é primordial para a decisão pelo plano de tratamento.

Leia mais:

Saúde bucal X Problemas no coração

Periodontia Previne e Trata doenças bucais

Coisas que o dentista avalia e você não sabia 

Referência:

Endocardite infecciosa: da boca ao coração. Disponível em <http://www.apcd.org.br/index.php/noticias/1243/em-foco/23-05-2018/endocardite-infecciosa-da-boca-ao-coracao> acesso em 18 out. 2019